Às vezes o problema está em nós não no outro e de nada adiantará mudar de casa, de cabelo, de roupas para nos sentir melhor! A gente precisará de uma reforma interna! Começando pelos sentimentos e pensamentos que cultivamos dentro!

O que habita em nós é algo maior que o mundo externo. Mas algumas pessoas possuem dificuldade em alcançar essa dimensão e costumam achar mais fácil acusar e apontar o problema no outro como se não tivesse a mínima responsabilidade.

Muitos não conseguem acessar a própria emoção, a trazendo para a racionalidade, para só depois a transformar em pensamento de modo a planejar uma ação equilibrada e mais saudável.

Como não são capazes, não conseguem estabelecer relacionamentos saudáveis e vivem acreditando piamente que a culpa sempre é do outro, que o problema nunca é dela. Mas as vezes, o problema está naquele que acusa, não no acusado.

É simples pensar que em mim mora o “começo, o meio e o fim”. E que por isso, somos responsáveis por tudo que nos acontece. Porém em mim está apenas a ignição, a primeira faísca que dá início ao funcionamento de um grande mecanismo.

Estamos todos a “toda na vida”. E muitas vezes não paramos para analisar os nossos próprios comportamentos e o quanto que as nossas palavras e ações podem influenciar positivamente e também negativamente a vida das pessoas com quem nos relacionamos.

Usemos como exemplo o sistema solar: Vejamos, a lua é apenas um “cisco cósmico”, mas o quanto ela afeta as marés, o plantio, a colheita, o período da gestação…

Imagina que tal como a lua, também afetamos e somos afetados pelas relações que criamos.

O limiar de tolerância, de paciência, de resiliência.

Está muito atrelado as emoções. Nossa autoestima tem um fator flutuante e não estático. A autoestima possui variáveis internas e externas. O emocional é o “diapasão”, que mantém a homeostase do corpo e do comportamento.

É necessário o “dentro e o fora” afinados, para que esse conjunto se apresente nas minhas ações mais diretivas e assertivas.

Quando mudo de casa, de cabelo, de círculo social, de país…Enfim, quando mudo algo em mim ou no meu mundo, isso me afeta superficialmente, talvez ajude na autoestima, mas não transforma internamente os sentimentos e pensamentos, a ponto de causar uma mudança interna que contribuirá para melhorar as nossas relações e aceitar que muitas vezes os problemas não estão nos outros, mas em nós.

Devemos estar sempre atentos às reformas necessárias e parar de acusar, apontar o dedo, falar mal… ANTES DEVEMOS OLHAR PARA AS NOSSAS PRÓPRIAS AÇÕES.

Ao fazer essa reforma interna, ao aprender a lidar com as próprias emoções o individuo aos poucos começa a se sentir em paz e para de guerrear com o mundo.

Quando encontramos a nossa paz interior, promovemos a paz nas relações.

Uma vida harmônica é por assim dizer, uma vida feliz.

Sem paz nada há, sequer alegria, portanto, felicidade é uma sequência lógica e consciente da paz que encontramos em nós.

Texto de Fabiano de Abreu

VOCÊ SABIA QUE O SEU AMIGO GURU TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TORNARÃO A SUA VIDA MUITO MAIS LEVE E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.