Aprendi que lamentar, definitivamente, não me levará a lugar nenhum! E por isso, estou sendo forte para muitas coisas, estou lutando contra o mal.

Eu estou ciente dos Planos de Deus para minha vida e também não tenho me escorado em coisas que podem me jogar ao chão. Aprendi a conquistar o meu lugar ao sol.

Eu tenho tido fé e tenho percorrido meu caminho por vezes sentindo que aquele momento onde tocarei com mais nitidez o meu espirito só me abrirá mais pra vida.

Parece difícil. É preciso sentir a chuva, é preciso sentir o chão molhado, é preciso sentir que a alma também seca e recolhe as coisas do varal.

Justo é quando o coração finalmente se dedica ao que dá vontade de tecer coisas mais bonitas se desprendendo daquele vaivém emocional, daquele ir e vir sem saber pra onde ir.

Eu aprendi a ouvir mais e falar menos, aprendi que só o caminho da luz salva, e a cura está nas coisas que não condeno mais, nas coisas que não quero mais, na capacidade de intervir quando eu não estiver bem.

Muitos falarão e poucos dirão.

Fechar os olhos e me sentir em cima de uma corda bamba, me faz perceber onde preciso de equilíbrio.

Tudo que conquistei com o suor de algumas lágrimas, tudo que aparei dentro de mim, já me fazem ser alguém diferente.

Por isso não me importo se alguém não me nota, por isso já não me importo se fecham a porta.
Adquiri maturidade e consciência mais plena.

E nem tudo que reluz realmente ilumina, nem tudo que sorri é verdade de alma.

O caminho das pedras me ensinou a caminhar mais devagar e a sentir o que precisar em qualquer lugar.

A lei de Deus é suprema e eu me ajeito onde quiser.

O sol batendo no rosto mesmo em dias cinzentos significa que não desisti de tentar.

O importante é o ensinamento que carrego aqui dentro.

Os dias são distintos, a vida continua e quero paz.

Haverá dias de solidão; de sim e não.

Haverá também o poder de decisão pessoal e um lugar para fugir e me resguardar.

Estou compreendendo meu mundo particular, estou compreendendo as coisas que chegam em minha vida.

Estou mais resiliente, perseverante e menos trágica.

Já me salvei, já me resgatei. E aprendi: O caminho do lamento não me levará a nenhum lugar.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.