Americano é solto depois de passar 40 anos preso por um crime que não cometeu.

Ele nunca admitiu a culpa e sempre insistiu que estava a ver televisão em casa quando ocorreu o crime, mas mesmo assim, foi condenado há prisão perpétua.

Kevin Strickland, 62, foi libertado na terça-feira por um tribunal do estado de Missouri (EUA) depois de ficar mais de 40 anos preso por um triplo homicídio no qual nunca esteve envolvido, informa a AP.

Em todos esses anos, o preso nunca admitiu sua culpa e sempre insistiu que estava assistindo à TV em casa no momento do crime múltiplo.

“Nessas circunstâncias únicas, a confiança do Tribunal nas convicções de Strickland é tão abalada que não pode ser mantida e a condenação deve ser anulada”, decidiu o juiz James Welsh em seu veredicto, declarando que o prisioneiro será libertado formalmente. Imediatamente.

A decisão do tribunal veio depois que o promotor do condado de Jackson, Jean Peters Baker, afirmou em uma audiência probatória de três dias que as evidências usadas para manter o preso já haviam sido refutadas.

Enquanto isso, o procurador-geral do Missouri, Eric Schmitt, que concorre ao Senado do país, tentou impedir tentativas de libertar Strickland, considerando-o o autor do massacre. No entanto, após a decisão final na terça-feira, Schmitt não tera mais medidas restiritvas, confirmou seu porta-voz.

Em maio deste ano, a acusação admitiu seu erro depois que dois outros homens se confessaram culpados do crime em novembro de 2020 e especificaram que Strickland não estava com eles no momento do assassinato. No entanto, a Suprema Corte do Missouri se recusou a considerar a petição de Strickland a respeito de sua inocência.

A isenção só tomou forma quando, em agosto, Baker se valeu de uma lei local que permite aos promotores contestar as condenações se acreditarem que o réu não tem nada a ver com os fatos acusados.

A testemunha-chave retificou suas declarações

Em 25 de abril de 1978, quatro homens desconhecidos invadiram uma casa em Kansas City e assassinaram três indivíduos identificados como Larry Ingram, John Walker e Sherrie Black. Eles também atiraram em Cynthia Douglas, que sobreviveu ao ataque e mais tarde foi capaz de identificar dois dos agressores. Em seguida, ele também apontou para Strickland, então com 18 anos, quando a polícia lhe contou sobre ele.

Em 1979, o suposto criminoso foi condenado por um júri totalmente branco à prisão perpétua, sem direito a requerer liberdade condicional por pelo menos 50 anos. Três décadas depois, em 2009, a própria Douglas enviou um e-mail a uma organização que luta contra sentenças injustas e buscou retificar suas declarações.

A mulher morreu em 2015, mas o caso foi relatado pelo The Kansas City Star, o que levou a uma revisão do assassinato pelo Ministério Público.

Na verdade, a carta da testemunha foi descrita como uma “retratação verdadeira”. Além disso, descobriu-se que as impressões digitais na arma do crime não pertenciam a Strickland, embora se acreditasse anteriormente que o condenado portava armas.

Enquanto isso, a audiência de evidências deste mês se concentrou nas declarações retificadas de Douglas. O juiz Welsh enfatizou em sua decisão que a mulher “hesitou em agir porque temia ser acusada de perjúrio se se retratasse publicamente”.

Ao mesmo tempo, depoimentos de familiares, amigos e um colega de trabalho de Douglas apontaram que a mulher foi pressionada pela polícia a apontar Strickland como o autor dos assassinatos, enquanto tentava por anos corrigir suas declarações.

40 anos não são 40 dias e esses anos que compõem uma vida, não há como ser devolvido a Strickland. Uma história de injustiça, que existem aos montes, principalmente, em um país como os EUA, que cheira a sangue de negros até hoje.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Actualidad.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!