Adaptação autodestrutiva: quando você normaliza o que te machuca

Às vezes normalizamos o sofrimento, convencendo-nos de que não há saída. No entanto, aceitar o que dói quando existe uma saída, nos prejudica e nos fragmenta.

Agora, sabendo disso, por que fazemos isso?

Se nos ferimos com o espinho de uma flor, nós sentimos. No entanto, às vezes, pode acontecer que o mesmo espinho fique preso em nós por um tempo. Sabemos que está lá, mas a dor é diferente agora. Tanto é assim que podemos segurá-lo por um tempo até decidirmos extraí-lo. Nas relações humanas, às vezes acontece o mesmo, ocorrendo o que conhecemos como adaptação autodestrutiva.

As pessoas podem normalizar o sofrimento de maneiras marcantes e inesperadas. Além disso, a maioria de nós não sabe até onde chega nossa capacidade inata de nos adaptar.

Muitas vezes vemos isso em ambientes de trabalho: algumas pessoas passam décadas em uma posição em que seus direitos são denegridos ou em que passam a sofrer assédio ou assédio moral .

Aguentamos um pequeno salário? Por precisamos ter um salário no final do mês? Às vezes, é muito mais do que questão monetária. Pode-se continuar nesse trabalho degradante porque ele diz para si mesmo que “é o que você consegue ter”, “o trabalho é ruim em todos os lugares e é isso que existe”. Assim, e através dessas verbalizações e auto-justificativas, a pessoa se adapta sem sentir o peso da fratura psicológica que algo assim implica.

A adaptação autodestrutiva vai além do mero masoquismo e contém uma série de realidades que vale a pena conhecer.

O fenômeno da adaptação destrutiva tem sido estudado no campo psicológico há anos. Ainda é pelo menos algo impressionante e inexplicável visto de fora.

Comportamentos autodestrutivos e não regulamentados podem ser entendidos de um único ponto de vista: aquele em que alguém recebe algo em troca.

Por exemplo, todo comportamento viciante, como o consumo de álcool ou drogas, é prejudicial. No entanto, a pessoa recebe prazer em troca; daí o vício e a autodestruição.

O mesmo se aplica a práticas como corte ou autolesão . Nesse caso, a dor física atua como uma válvula de escape da dor emocional.

Agora … que explicação podemos dar a alguém que passou anos em um relacionamento infeliz ? Por que uma pessoa que é constantemente traída por outra continua a manter esse vínculo? Que benefício alguém que continua em um trabalho degradante pode obter?

Vamos nos aprofundar nas possíveis causas.

A personalidade autodestrutiva

Para entender as causas que às vezes mediam a adaptação autodestrutiva, podemos ir às bases: à personalidade humana.

Embora estejamos surpresos, existe um perfil que é orientado para essas práticas prejudiciais a ponto de normalizá-las. Foi Theodore Millon, um psicólogo americano pioneiro na pesquisa de personalidade, quem primeiro nos falou sobre ele:

A personalidade autodestrutiva cai repetidamente nos mesmos tipos de relacionamentos prejudiciais. Eles se movem voluntariamente entre pessoas que os enganam e os decepcionam. Eles normalizam o abuso porque orientam seus relacionamentos em dependência absoluta.

Para Theodore Millon, a adaptação autodestrutiva costumava ser uma característica do transtorno de personalidade limítrofe .

Personalidade masoquista

Além da personalidade autodestrutiva, existe outro tipo de padrão comportamental. Estamos falando da personalidade masoquista, que já se enquadrava em uma categoria clínica muito específica: transtorno de personalidade autodestrutivo ou masoquista.

Em um estudo realizado pelo Dr. Otto Kernberg, define quais seriam suas características:

1- Eles constantemente se desvalorizam.
2- Eles não levam em consideração suas necessidades.
3- Eles não procuram se envolver em atividades agradáveis.
4- Eles se sacrificam ao extremo para ajudar os outros.
5- Tendência de normalizar (e até buscar) experiências de dor e sofrimento.
6- Recusando-se a ser ajudado, além disso, eles tendem a se afastar de quem os trata com respeito.

Quando tudo o que sabemos é sofrimento

Ver como alguém tolera limites inesperados ao sofrimento não deixa de nos incomodar. No entanto, antes de julgar, é necessário entender.

Imagine alguém que já sofreu abuso físico e psicológico em sua infância . Alguém que desde cedo entendeu que o amor às vezes é acompanhado de humilhações e que quem te ama, faz você chorar e sofrer.

Algo assim certamente explica por que muitas pessoas toleram a dor e não reagem.

Adaptação autodestrutiva e medo de mudar

O que será de mim se eu deixar esse relacionamento, para onde irei?

Se eu decidir deixar este emprego … para onde vou, que oportunidades tenho?

A resistência à mudança nos seres humanos é um fator que não prestamos atenção suficiente.

Às vezes, é tão arraigado e coloca tanto lastro em nosso potencial e bem-estar que se torna patológico.

São aquelas situações em que o medo da mudança é mais aterrorizante do que a própria experiência.

A adaptação autodestrutiva tende a normalizar a dor e a humilhação de tal maneira que nenhum outro modo de vida é vislumbrado. Nessas situações, é essencial ter sempre uma boa rede de suporte.

Quebrar a teia de aranha que tece a adaptação autodestrutiva requer nutrir a auto-estima e estabelecer uma distância para perceber o que está acontecendo.

Ter alguém para nos ajudar é essencial, no entanto, tudo depende de nós mesmos. Por nossa decisão e convicção de que não merecemos continuar tolerando o intolerável.

*Tradução e adptação REDÇÃO SAG. Com informações La Mante es Maravillosa.
*Foto de Tuva Mathilde Løland em Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!