“A SIMPLICIDADE É O ÚLTIMO GRAU DE SOFISTICAÇÃO”(Leonardo da Vinci)

As pessoas perdem muito tempo das suas fugazes vidas, almejando impressionar aos outros e, e muitas vezes, deixam de viver as próprias vidas, para que possam alcançar tal objetivo.

Para agravar essa situação, nos dias atuais, em que as redes sociais estão em alta, essas mesmas pessoas, diante da lamentável necessidade de aparecerem e, principalmente, de tentarem se sobressair aos outros, perdem não somente o precioso tempo, mas, também, a si mesmos!

Nesse contexto, observa-se que o grau de humildade decaiu muito, ao ponto de tornar essa dádiva em algo rumo à extinção.

A HUMILDADE E A SIMPLICIDADE SÃO QUALIDADES NOBRES QUE EMERGEM DA SABEDORIA QUE SE CONQUISTA COM A MATURIDADE.

SÃO PEDRAS BRUTAS ESCULPIDAS PELO TEMPO, QUE SE TRANSFORMAM EM UM PURO DIAMANTE.

Com o tempo aprendemos que muito pouco sabemos e quando achamos que alcançamos algum grau de conhecimento, mais dúvidas geram novas perguntas infindáveis, na maior parte sem respostas ou cujas respostas levam à mais perguntas.

Os questionamentos engrandecem, enriquecem, elevam ao Criador que nos concedeu a vida com seu poderoso sopro de sabedoria, de vida, de força, mas também de simplicidade e suave sofisticação.

Os mesmos questionamentos tornam o viver, algo não monótono, pelo contrário, o viver torna-se um desafio, algo fascinante, mas tão fascinante que chega a “intimidar” o nosso ego e o nosso orgulho que a nada levam, e muito menos, elevam ao Altíssimo, pelo contrário, nos fazem decair, retroagir, mergulhar em precipício profundo, muito mais fundo, sem fim.

Com o passar do tempo e com a paulatina conquista do amadurecimento, percebemos que insignificantes somos; ao menos, os nossos corpos físicos o são dessa forma; corpos físicos que, nada mais são, do que prisões de carne, que se desintegram após a nossa partida definitiva para o eterno, rumo ao lado daquele que realmente pertencemos.

Assim, como somente levamos o que somos e não o que temos, que possam ser cultivadas sementes da dádiva da simplicidade!

Que adquiramos qualidades, dons e, dentre elas, quando alcançarmos os ápices das conquistas que, jamais, deixemos de valorizar a simplicidade, pois ela é o último grau de sofisticação humana e, mais do que isso, é o brilho da nossa alma eterna.

“A simplicidade é o último grau de sofisticação.” (Leonardo da Vinci) Essência do texto, extraída do Livro “Enigma – Todo Começo Tem Um Fim” de minha autoria – Ed. Letras do Pensamento

Por: Christie Christen

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Christie Christen
Advogada atuante, autora de ficção científica principalmente, com ênfase ao recente lançamento do seu livro “Enigma - Todo Começo Tem Um Fim”, publicado pela Editora Letras do Pensamento, entre outras obras, incluindo no ramo de Direito Ambiental! Desde a infância é apaixonada pelo Mistério, OVNIS e por Artes Marciais e destas extrai o seu Estilo de Vida, mas acima de tudo, tem Deus por seu Tudo neste Planeta!