A raiva e a agressividade durante a pandemia não ajudam, pelo contrário, atrapalham!

A raiva mal canalizada se transforma em atos de agressividade ou em sentimentos de ira, que só atrapalham o desenrolar da vida durante a pandemia.

O momento nos pede para ajudar, ao invés de atrapalhar.

Quando agimos com raiva, estamos nos justificando, com a desculpa de que não temos responsabilidade sobre o que nos acontece. E agindo assim, deixamos de agir com disciplina em relação ao fato que apavora o mundo.

Quando nos vemos tomados pela raiva, deixamos escapar a razão e agimos com agressividade. Agindo movidos pela raiva perdemos também a ética e deixamos de lado a moral.

A raiva é uma inconsciência intelectual e revela uma falta de maturidade.

É natural que momentaneamente tenhamos raiva por algo que não concordamos, até porque, ela é a emoção que estimula a ação, é a resposta motora para aquilo que nos retira a homeostase. Mas precisamos aprender a utiliza-la para o bem e não para o mal.

Saber usar a raiva para o bem e a favor da solução dependerá do nível de desenvolvimento cognitivo do indivíduo.

Não devemos deixar a raiva passar para um nível de agressividade que nos leve a ira.

Estamos num momento que é de extrema importância o equilíbrio, a ajuda mútua, depois de nós mesmos ao próximo. A saúde mental deve receber a atenção devida nesse momento de pandemia, pois ela está se tornando uma consequência do covid-19 e precisa ser precavida com racionalidade.

A raiva estimula o estresse que desencadeia doenças que podem ser irreversíveis. Quando nos deixamos levar pela ira perdemos a razão e nos tornamos irracionais diante de uma situação que poderia ser resolvida com um pouco de equilíbrio.

Devemos sentir a raiva e utilizar a motivação que advém dela para fazer uma leitura do cenário mais adequada, possibilitando assim uma melhor compreensão e uma tomada de decisão mais assertiva e positiva.

Mesmo que as variáveis do momento coloquem a raiva em posição de vantagem sobre a razão, a racionalidade deve ser trazida a tona para que nossas ações reflitam a solução não o problema.

Para isso, devemos buscar o equilíbrio. Quem define o que é certo ou errado sobre o que resultou no descontrole emocional e na raiva é a inteligência emocional de cada ser humano, daquele que protagoniza a ação.

Quem se expressa em comportamento fazendo uso contínuo da raiva, não é capaz de estancar o desequilíbrio que esta desencadeia.

É possível ser senhor de suas emoções e instalar o autocontrole, restabelecendo o equilíbrio.

Para isso, basta recuperar o raciocínio lógico, com base no conhecimento de experiências passadas onde esta reação não trouxe nenhum resultado positivo.

Ou seja, se você está sentindo muita raiva, precisa se perguntar o que pode fazer com ela para que as suas ações a partir dela, tragam resultados positivos para a sua vida e para os demais que convivem com você. Caso as suas ações causem prejuízo para você e para os outros, é preciso desenvolver a competência para controla-la.

Você só conseguirá desenvolver essa competência, se não externalizar esse comportamento de forma reativa.

Deve-se tentar, constantemente, vencer a ignorância, pois quem é dominado pela emoção negativa, geralmente, não tem controle sobre os próprios atos, e a falta de controle é a falta de equilíbrio, que faz com que a pessoa perca a razão.

Se movimente em direção da solução, não do problema, para que suas ações sejam pró ativas, positivas e produtivas.

A vida é construída em corrente constante e contínua, quem quebra o primeiro elo, se perde na lógica da própria razão.

Utilize a força da raiva para construir e desenvolver ações transformadoras para o bem, e não para promover a desordem, a baderna, e o caos generalizado.

A situação já é difícil o suficiente! Não contribua para que ela fique ainda pior.

* Foto: (Spencer Platt/Getty Images)

*texto de Fabiano de Abreu – Doutor e Mestre em Psicologia da Saúde pela Université Libre des Sciences de l’Homme de Paris; Doutor e Mestre em Ciências da Saúde na área de Psicologia e Neurociência pela Emil Brunner World University;Mestre em psicanálise pelo Instituto e Faculdade Gaio,Unesco; Pós-Graduação em Neuropsicologia pela Cognos de Portugal;Três Pós-Graduações em neurociência,cognitiva, infantil, aprendizagem pela Faveni; Especialização em propriedade elétrica dos Neurônios em Harvard;Especialista em Nutrição Clínica pela TrainingHouse de Portugal.Neurocientista, Neuropsicólogo,Psicólogo,Psicanalista, Jornalista e Filósofo integrante da SPN – Sociedade Portuguesa de Neurociências – 814, da SBNEC – Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento – 6028488 e da FENS – Federation of European Neuroscience Societies-PT30079.
E-mail: [email protected]

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.