Lutando com a dor crônica, o escritor de religião Jonathan Merritt recuperou sua fé através da oração.

por Jonathan Merritt From

Minha luta com a dor crônica começou do nada. Um dia cinza de dezembro, acordei e não consegui sentir minhas mãos. Eu torci meus braços, balancei-os violentamente. Manteve-os sob água quente e fria. Nada adiantou. Sem sensação.

Eu sou um escritor em tempo integral, cujas mãos de digitação pagam o aluguel. Em pânico e desnorteado, liguei para o meu médico. “Provavelmente síndrome do túnel do carpo”, disse ele.

Os sintomas pioraram. Formigamento espinhoso subiu pelo meu braço e nos meus ombros. O entorpecimento tornou-se uma dor ardente e dolorosa. Até minhas unhas pareciam latejar.

Contrações nervosas começaram nas minhas pernas, braços, costas e rosto. Eu não conseguia dormir e ficava cada dia mais exausto. Eu sofri ataques de pânico. Estressores aleatórios – uma multidão, uma fila longa, ocorrências diárias em Nova York -.

Cada vez mais desesperado, procurei ajuda de um exército de profissionais de saúde: ortopedistas, neurologistas, quiropráticos, nutricionistas e até um curandeiro judeu hassídico.

Minha lista de medicamentos cresceu tão rápido quanto meus sintomas: antiinflamatórios, relaxantes musculares, pílulas nervosas, analgésicos, drogas antiepilépticas, pílulas para dormir, doses saudáveis ​​de Lexapro e Xanax para evitar um colapso nervoso.

Eu ‘quebrei” de qualquer maneira. A dor me assaltou a cada momento. Acordei com dor, trabalhei com dor, jantei dor e lutei pelo sono apesar da dor. Minha rotina se desfez. Minha vida social se desintegrou. Eu me senti atormentado e sozinho.

Até Deus pareceu me abandonar. Primeiro implorei por ajuda. Então eu me enfureci. Finalmente, ainda com dores, desisti e percebi que Deus não se importava. Eu praticamente parei a oração, parei de ir à igreja.

Para uma pessoa que cresceu como filho de um proeminente líder da igreja e participou de seu primeiro culto na igreja apenas três dias após o nascimento, senti como se tivesse me precipitado em um beco sem saída repentino, cruel e inexplicável.

Às vezes eu queria estar morto. Em minha oração pedia para que aquilo acabasse. Isso foi há três anos. Hoje minha dor quase desapareceu. Meu relacionamento com Deus é restaurado. Eu escrevo, publico livros e viajo para palestras públicas como eu fiz antes. Eu posso dizer, e você poderia dizer, que estou curado.

Ou essa é a palavra certa? Certamente é tentador contar minha história como uma espécie de cura milagrosa. Afinal, esse é o tipo de história que uma pessoa de fé pode gravitar.

Eu vejo minha experiência de forma diferente. Se houve um milagre, foi um milagre nascido da luta, do desespero, do conhecimento duramente conquistado e da vontade de questionar tudo o que eu pensava ser verdade. A dor , eu aprendi, é um professor. Um professor duro, mas às vezes necessário.

O que aprendi com a dor?

A resposta é difícil de colocar em palavras. É por isso que estou contando minha história. De certa forma, a história é a lição.

Eu realmente comecei a pensar em dor como professora quando estava no meu ponto mais baixo. Naquela época, eu estava com dor há mais de um ano. Eu estava com um amigo, esperando em uma farmácia por mais uma receita.

“Você acha que Deus está fazendo isso com você?” Meu amigo perguntou.

“Eu não sei”, eu disse. “Espero que não. Tudo o que sei é que parece que a dor é algum tipo de professor. Eu só não sei qual é a lição ainda. ”Essa foi a parte mais difícil, sem saber por que isso estava acontecendo ou como eu ia sair disso.

Deixei aquela farmácia mais desanimado do que jamais estivera. Pouco tempo depois, eu estava visitando um amigo que alugou um quarto em seu apartamento para veranistas. Uma mulher portuguesa alugando o quarto por acaso ouviu-me falar da minha miséria – praticamente tudo o que eu já falei. “A mesma coisa aconteceu comigo”, disse ela.

Certamente não, pensei. Os médicos me disseram que nunca tinham visto meus sintomas e não tinham explicação.

“Disseram-me que eu tinha fibromialgia”, disse a mulher. “Eu fui colocada em deficiência. Eu pensei que nunca mais voltaria a trabalhar.

“Você não está mais com dor?”, Perguntei.

“Não”, disse ela. “E é graças a um médico aqui em Nova York. Seu nome é John Sarno. Ele escreve sobre a conexão entre a mente e o corpo. Você deveria tentar um de seus livros.

Mente? Corpo? O que ela estava falando? Eu olhei para este Dr. Sarno. Ele começou a tratar pacientes para dores nas costas na década de 1970. Ele notou que muitas vezes não havia correlação entre os sintomas dos pacientes e a condição física de suas costas. Alguns tiveram dor, mas nenhum problema físico subjacente. Outros tinham escorregado discos e outras anormalidades, mas pouca dor.

Uma coisa que muitos de seus pacientes tinham em comum: grandes quantidades de estresse e conflito emocional não resolvido. Sarno concluiu que, pelo menos em alguns casos, a dor crônica pode ser causada por mais do que sintomas físicos. Resolver problemas na mente às vezes resolve problemas no corpo.

Eu fui criado em uma ala muito tradicional e conservadora da igreja. Ao crescer, aprendi que quando coisas ruins acontecem às pessoas, muitas vezes é porque elas fizeram algo errado e Deus as pune.

Também fui ensinado que somente os incrédulos loucos procuram terapia psicológica ou qualquer outra forma não tradicional de cura. “Fé e oração são tudo o que você precisa”, me disseram.

O Dr. Sarno parecia alguém de quem eu teria sido avisado.

Bem, eu estava desesperado. Eu li um de seus livros. Parecia minha autobiografia. Eu marquei uma consulta com um de seus protegidos. Ele me diagnosticou com dor crônica decorrente de conflito psicológico não resolvido. Ele recomendou que eu visse um terapeuta e reduzisse o estresse em minha vida.

Ainda cético, ainda desesperado, vi o terapeuta. Para minha surpresa, encontrei-me chorando em seu escritório e falando sobre todos os tipos de coisas que pareciam não ter nada a ver com a dormência em minhas mãos ou minha incapacidade de dormir ou a dor que me torturava todos os dias.

Ao longo de muitos meses, contei ao terapeuta o rigor da minha educação. Sobre a ideia eu absorvi que Deus é mercurial e irado, amando apenas as pessoas que são perfeitas e seguem as regras.

Eu contei sobre o menino mais velho da minha vizinhança que me abusou sexualmente.

Eu contei sobre minha luta com intimidade.

Quanto mais eu contava, mais eu começava a ver não apenas quanta dor psicológica havia acumulado dentro de mim ao longo dos anos, mas também o quanto eu estava com medo de que talvez a dor fosse castigo de Deus ou um sinal de que estava fazendo algo errado. Ou, pior de tudo, um sinal de que Deus não se importava e me virava as costas.

O terapeuta recomendou a meditação para ajudar a reorientar meu sistema nervoso.

“Seu cérebro está usando a dor física como uma maneira de lidar com a dor emocional mais profunda”, disse ele.

Meditação era outra coisa da qual eu tinha sido avisado enquanto crescia. Com a ajuda de mais leituras, percebi que os cristãos praticam uma forma de meditação há séculos. Era nada mais nada menos que uma oração diferente.

É chamado de oração contemplativa, sentado em silêncio na presença de Deus, em vez de chegar a ele com uma lista de pedidos.

Eu tentei. Foi estranho no começo. Um pouco chato e frustrante. Pensamentos e medos clamaram ruidosamente enquanto eu me sentava.

Quanto mais eu fazia, mais o clamor desaparecia e me sentia cercado por algo que nunca havia experimentado antes. Uma presença amorosa maior que a minha mente indignada. Maior que a minha dor. Maior que tudo.

No outono passado, decidi que era hora de testar todo esse tratamento. Eu limpei a medicação restante para dor que eu estava tomando no banheiro. Um amigo que possuía uma casa no país se ofereceu para me deixar ficar lá por um mês. Não houve recepção de celular. Não tinha Nada para me distrair. Era só realizar a oração.

LEIA TAMBÉM: Não aceite restos! Deus dará a você alguém que o colocará em primeiro plano

Passei meus dias lendo, andando, escrevendo e sentando em oração. Pensei em tudo o que o terapeuta me contara. Mergulhei em experiências dolorosas em minha vida, reimaginando-as como se não estivesse desamparada. Sentei-me em silêncio com o Deus que eu estava começando a conhecer.

Quem foi esse Deus? Ele era um Deus de amor, não de ira. Um Deus que não exigiu perfeição. Um Deus que não desistiu de mim e nunca deu as costas a ninguém.

Um Deus que sempre manteve essa promessa central e definidora para a humanidade: eu estou aqui.

Quando voltei para a cidade, minha dor quase desapareceu. Eu estava psicologicamente e emocionalmente espremido.

Com a oração certa eu nunca me senti mais vivo.

Eu não conto essa história porque acho que toda dor crônica é como a minha. De acordo com os Centros de Controle de Doenças, até quatro em cada 10 americanos sofrem de algum tipo de dor crônica, e cada uma dessas pessoas tem uma história única.

O sistema médico americano é excelente no tratamento de condições que podem ser testadas, digitalizadas e curadas com drogas ou cirurgia. Às vezes, esse tratamento é necessário. Às vezes vale a pena explorar mais. A mente, o corpo e a alma estão intimamente interligados. Deus não é especialista. Deus vê, ama e está presente com toda a pessoa.

Espero nunca mais ter que enfrentar a classe desafiadora da dor. Foi a experiência mais assustadora e debilitante da minha vida.

E, no entanto, quando recupero minha saúde, agradeço pelo que aprendi.

Eu aprendi a rezar novamente.

Eu aprendi que, como todos os outros, eu experimentei coisas difíceis crescendo, mas que essas coisas não têm que governar minha vida hoje. Aprendi a me aceitar como sou e não preciso ser perfeito para ser amado.

Deus é perfeito, não eu. E Deus, aprendi na lição mais importante de todas, está sempre lá. Sempre amando. Sempre ao meu lado.

Sem dúvida, vou conhecer a dor novamente à medida que envelheço. Eu estou pronto para isso agora. Andando com Deus, sei que não estarei só. E então eu não terei medo.

Imagem de capa: Reprodução

**Tradução e adaptação REDAÇÃO SEU AMIGO GURU. Com informações de Guidepost

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!