A pessoa hipócrita é o reflexo da contradição dos seus julgamentos.

Mas afinal, qual a diferença entre hipocrisia, e ironia?

Hipocrisia é quando nos contradizermos, quando somos inconsistentes, falamos muito e fazemos pouco. Mas isso também significa ironia. O que então distingue a hipocrisia da ironia?

A ironia expõe sua inconsistência; a hipocrisia o nega.

Um hipócrita nega suas inconsistências. Ele vai insistir que está sendo consistente, não importa o quê você fale. Se você acha que ele está sendo inconsistente, ele vai insistir que você o interpretou mal.

A hipocrisia é, portanto, a pretensão de consistência para ocultar a própria inconsistência.

A única coisa consistente sobre um hipócrita é a insistência de que estão sendo consistentes.

Por exemplo, um troll vai mudar a frase no meio entre brincar de papa e punk, moralizando os outros por não seguirem regras que eles desprezam com orgulho.

Num momento, eles estão repreendendo você do alto de seu cavalo por não viver de acordo com seus elevados padrões morais; no momento seguinte, eles estão ridicularizando você por se preocupar com os padrões morais.

Se você tentar expor a hipocrisia deles, eles simplesmente dobrarão seus padrões e dirão:

“Eu não sou hipócrita, você quem é.”

Para o hipócrita, as inconsistências dele são problema de outras pessoas, não dele. Em contraste, um ser irônico expõe suas inconsistências para que todos vejam.

Considere uma afirmação irônica como:

“Não, sério, estou apenas brincando”, que obviamente é tanto séria quanto brincadeira, ou “Essa é minha história e vou persistir nela”, que é tanto uma admissão de que é uma história quanto um compromisso para a história.

Ao expor nossas contradições internas, a ironia destaca a relação humana com a realidade. A ironia revela as inconsistências que residem em todos nós.

Em seu livro best-seller, On Bullsh * t , o filósofo Harry Frankfurt distingue mentir e “falar merda”: Mentir é saber que você não está dizendo a verdade; “falar merda” é não se importar com o que é verdade.

Um hipócrita está para suas inconsistências o que um estúpido está para as falsidades.

Os hipócritas simplesmente não se importam se estão falando “merda” e ninguém pode fazer com que se importem.

Como nota lateral, é uma tragédia cívica estarmos presos a um termo vulgar como esse. Temos que ensinar as crianças desde cedo a não crescerem e fazerem o mesmo, mas não podemos usar o termo porque é muito vulgar.

Isso é o que seria treinar bebês para ir ao banheiro se o único termo para cocô fosse alguma vulgaridade que você não pode usar com crianças.

Isso também é um problema com o termo “buraco”.

Ensinar as pessoas a não serem burras deve começar cedo, mas o termo predominante é aquele que não podemos usar com os jovens.

Esta é uma maneira de testar a diferença entre hipocrisia e ironia. Muitas de nossas regras morais populares se contradizem. Por exemplo:

“Não se deve julgar” é um julgamento.

“Comprometa-se com a flexibilidade” é inflexível.

“Diga não à negatividade” é negativo.

“Seja intolerante com a intolerância” é intolerante.

“Ódio, ódio” é odioso.

“Junte-se à facção que não toma partido” toma partido.

Mesmo a Regra de Ouro, que pode ser reformulada como “Faça concessões sempre, para que ninguém tenha de fazer concessões” é intransigente e comprometedora.

Nessas inconsistências, um ser irônico reconhece e adota algo fundamental sobre a vida: estamos todos lidando com paradoxos que nos encurralam com julgamentos difíceis.

Por exemplo, decidir o que tolerar e não tolerar.

Um hipócrita tomará as inconsistências como um convite para não se preocupar com as próprias inconsistências, apenas com as outras pessoas.

Eles vão usar esses paradoxos como formas de desviar as críticas, por exemplo, dizendo “LOL! Você odeia meu ódio. Isso significa que não preciso ouvir você!”

Para um irônico, os paradoxos expõem desafios inerentes à condição humana. Para um hipócrita, os paradoxos são apenas mais armas em seu arsenal moralizante.

Os irônicos não apenas riem dos outros por suas inconsistências; eles riem de si mesmos também.

A ironia é uma forma de rir de todos nós.

Você ouve ironia na comédia stand-up, na qual o comediante faz piadas modestas sobre suas mentes conflitantes, piadas com as quais todos podemos nos identificar.

Quando um irônico fala mais do que a boca, ele destaca a lacuna incontornável entre suas convicções e realidade, sua palavra e nosso mundo.

Obviamente, sou fã de ironia e não de hipocrisia. Posso dizer pela minha resposta visceral ao ouvir alguém pesando suas opções, sendo indeciso sobre alguma coisa.

Posso ouvir o dia todo alguém que admite ter duas opiniões, mas fico muito inquieto com quem não admite; que ouço falar besteiras, insiste que não o são e automaticamente me culpa por entendê-los mal.

Você pode ter ouvido a piada de que a natureza tem um viés liberal. De uma perspectiva científica, há algo nisso.

Liberalidade é deixar as coisas serem como são.

A segunda lei da termodinâmica é considerada tão fundamental quanto pode ser em nosso universo.

É a tendência de degeneração da ordem e não se aplica apenas ao calor como o nome indica. Por exemplo, se você deixar cair uma caixa de palitos de dente, é muito mais provável que caiam desalinhados do que alinhados.

Dada a segunda lei, sim a natureza tem um viés liberal. Mas a vida tem um viés conservador.

A luta pela existência ativa em cada organismo é uma luta contra a segunda lei; é um esforço para preservar a ordem, apesar da tendência liberal para a desordem em todo o nosso universo.

Ainda assim, dado o viés liberal da natureza, faríamos bem em aceitar alguma desordem.

Os hipócritas não. Eles fingem que estão eternamente alinhados em perfeita consistência e policiam o mundo em busca de inconsistências, como se todos devessem ser tão consistentes quanto eles.

Eu argumentaria que a natureza também tem um viés irônico.

O nosso é um universo pastelão, como você provavelmente já experimentou ou pelo menos testemunhou em vídeos adoráveis ​​de gatos. Você vai conseguir uma coisa e acaba fazendo o contrário.

O movimento que o salvaria em uma situação o condenará em outra.

Essa ironia inerente e inescapável é o que os irônicos abraçam e os hipócritas negam.

Por exemplo, sabe-tudo são hipócritas que brincam de Deus.

Porque Deus nunca tropeça como os gatos nesses vídeos adoráveis.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações PT.*Foto de Zheka Boychenko no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!