“Matar o tempo” se tornou um dos imperativos da nossa sociedade.

Entediados, aterrorizados com os minutos que correm, nos sentimos obrigados a nos agarrar a qualquer entretenimento ou atividade que nos ajude a nos afastar da passagem implacável dos ponteiros do relógio, como se pudéssemos conjurar nossa própria mortalidade, como se pudéssemos esquecer aquela hora. É a matéria da qual a vida é feita.

No que dedicamos nosso tempo é definitivamente a que atribuímos nossa vida. E isso tem uma duração limitada, embora não tenhamos o prazer de ser lembrados.

Somos seres finitos, com começo e fim, imersos em um tempo que passa inexoravelmente. Matar tempo é realmente desperdiçar ou consumir parte de nossa vida.

“Quem gere bem o seu tempo, gere bem a sua vida. E quem não encontra tempo para refletir, planejar ou programar, dificilmente pode realizar qualquer projeto de um determinado tamanho. Ele pode não encontrar tempo para si mesmo”, escreveu o psicólogo Guillermo Ballenato.

O que diferencia as pessoas que matam o tempo daqueles que se aproveitam dele?

“Matar o tempo” significa preencher as horas vazias como podemos, indiscriminadamente, com lazer inútil ou atividade desenfreada – o mesmo é verdade – porque ambos contêm a semente da inconsciência.

Matar o tempo é, a final, a atitude indolente daqueles que não têm consciência de sua finitude, ou que os temem tanto que precisam se esconder atrás do inconsequente para silenciar seus próprios demônios interiores, para não enfrentar a necessidade de seguir o caminho para sua vida e descubra o que ele realmente gosta, o que ele quer fazer e, acima de tudo, o que ele não quer fazer.

Quem mata o tempo está imbuído de um tipo de hipercinesia cotidiana que tira todas as possibilidades contemplativas e a capacidade de adiar e desfrutar, como escreveu o filósofo Byung-Chul Han.

“Assim, os eventos se destacam rapidamente um do outro, sem que deixe uma marca profunda, sem se tornar uma experiência”. Você vive sem viver.

Por outro lado, aproveitar o tempo não significa, de forma alguma, trabalhar continuamente ou estar permanentemente ocupado, mas nos dedicar plena e conscientemente às coisas que são realmente úteis, nos permitem desfrutar ou contribuir com algo para crescer como pessoas – e isso também Implica descansar, relaxar ou praticar atividades que realmente valham a pena.

A diferença entre desperdiçar e aproveitar o tempo está no objetivo e na atitude com que empreendemos certas atividades.

Se lermos um livro porque realmente gostamos de ler, isso nos dá conhecimento ou nos permite crescer, estaremos “aproveitando o tempo”.

Se apenas o lermos porque estamos entediados, porque não conseguimos pensar em nada melhor para fazer, porque é o que temos em mãos e quando o fechamos, automaticamente esquecemos tudo, então estaremos “matando o tempo”.

Não perca tempo, aproveite!

Dizem que as últimas palavras da rainha Elizabeth I da Inglaterra em seu leito de morte foram:

“Tudo o que possuo por um momento”.

A chave para aprender a valorizar nosso tempo em sua medida adequada – sem ficar obcecado com sua passagem, mas sem desperdiçá-la inconscientemente – é aceitar nossa mortalidade, entender que cada dia é um presente precioso composto por 1.440 minutos que passam um após o outro, de de maneira silenciosa e inexorável, até que, em um certo ponto da vida, o tempo pare de correr para começar a voar, precipitadamente, sem cabos para segurar.

Devemos evitar o erro de pensar que “quem vive duas vezes mais rápido pode desfrutar do dobro de opções na vida”.

Devemos banir a ideia de que “a aceleração da vida faz com que ela se multiplique e se aproxime do objetivo de uma vida plena”, porque uma vida plena não é medida em termos de quantidade, mas de significado.

Você não vive mais para fazer mais. Você vive mais quando desfruta de mais. Quando as coisas que fazemos fazem sentido para nós.

É por isso que “quem tenta viver mais rápido também acaba morrendo mais rápido”, matando o tempo com um lazer que não traz nada além da inconsciência de se desconectar da realidade, segundo Han.

Em vez disso, precisamos entender que somente quando estivermos plenamente conscientes de nossa finitude, podemos tirar o máximo proveito de cada minuto.

Então, e só então, paramos de gastar tempo para começar a tirar proveito daquelas coisas que realmente nos trazem e nos permitem viver experiências mais completas, estendendo o momento presente o máximo que podemos.

*Via Rincon Psicologia. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!