A covid-19 mostrou o quanto somos ignorantes e frágeis. O ser humano não é tão soberano quanto pensava.

Os governantes não sabem o que fazer, a imprensa não sabe a quem cobrar, as informações divergem, o ministério da saúde contradiz e a OMS contraria. E nós,estamos, aos poucos, enlouquecendo. Estamos ficando doentes não apenas fisicamente, mas também emocionalmente.

Estamos encabeçando o maior número de casos de problemas de saúde mental já visto no mundo. É a maior disfunção dos nossos mensageiros químicos da história da humanidade.

O que isso tudo nos revelou?

Além do entendimento da importância dos profissionais como psicólogos, psiquiatras, terapeutas e psicanalistas e da necessidade dos médicos também se preocuparem com o cérebro humano e com o emocional, revelou-se o quanto somos frágeis e o quanto nosso lobo pré-frontal nos fantasiou de um ego proveniente de uma capacidade ainda limitada.

Não somos tão sábios como pensávamos, somos limitados, nossa região cerebral do raciocínio lógico ainda não evoluiu o suficiente e/ou nosso cérebro reptiliano nos mostrou que ainda é mais forte, pois nosso instinto de sobrevivência segue nos afetando mesmo com a evolução.

Um vírus mata, derruba, um micro organismo destrói uma sociedade.

Nós, de civilizados não temos nada, ainda nos mostramos primatas e não conseguimos obedecer regras de distanciamento e higiene simples.

As ruas estão cheias, ninguém se cuida, ninguém liga, ninguém acredita, não há credibilidade.

Por falar em credibilidade, o governo está enfraquecido em qualquer país do mundo e foi preciso uma pandemia para sentirem o quanto são incapazes de controlar a massa, o quanto são limitados de conhecimento, e quanto o dinheiro não é capaz de inventar uma vacina.

Foi possível perceber que o dinheiro também não educa, não gera respeito.

As dimensões de terra de um país, a quantidade de hectares, está sendo o bem maior, já que a fome é algo latente, e precisamos sobreviver.

Ainda estamos longe de sermos civilizados como um todo, sofremos dos mesmos problemas da era medieval só que com trajes mais bem elaborados e tecnologias que ao invés de resolver nossos problemas, nos adoecem.

Isso porque não sabemos nos adaptar e somos tão frágeis que adoecemos com às mudanças.

No final, quem tinha razão?

A Suécia liberou suas fronteiras no início da pandemia de covid-19 e hoje, tem menos caso, Portugal trancou seu povo no início e agora está vivendo uma nova onda de casos, e o Brasil?

Este é uma confusão só, pois a politica predomina acima da saúde e de qualquer razão. E quem disse que alguém conseguiria controlar um povo como o brasileiro que sempre pensa ter razão na sua própria razão?

A covid-19 só nos provou o quanto somos imaturos, limitados.

Ela serviu de lição para melhorarmos? Não.

Mas pelo menos agora não temos como negar a nossa ignorância.

*Foto de engin akyurt no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.