Quando estamos doentes, entendemos que precisamos de um médico, um especialista, uma pessoa de fora, para nos receitar um remédio para que possamos nos curar instantaneamente.

Mas o que muitos não sabem, e por isso, muitas vezes não são agraciados com a cura, é que para cada doença física que nos acomete, existe uma causa mais profunda, uma dor, uma mágoa, um rancor, uma raiva, uma ferida aberta… que são, momentaneamente anestesiadas pelos remédios, mas que só serão curadas definitivamente, se aprendermos a silenciar a mente, e escutar, o que a nossa alma tem a nos dizer.

A alma fala com quem sabe e quer ouvir.

A vida é boa para quem sabe e quer levar a vida numa boa.

A saúde é abundante em quem sabe e quer silenciar a mente a procura do que dói para ressignificar e deixar ir…, em quem sente cada pequeno detalhe de si mesmo, e se atenta a cada emoção que aparece.

As emoções causam doenças físicas, mas também curam, por isso é tão importante aprender a lidar com as próprias emoções, aprender acessar a alma onde se encontram as lembranças tristes e felizes, ressignifica-las e perdoa-las, seguir em frente sem amargura, sobretudo amando as experiências que viveu para que a sabedoria se instale e os arrependimentos evaporem.

As maiores causas de doenças são as preocupações excessivas e as mágoas engavetadas.

Insistimos em guardar cada rusga, cada desafeto, cada humilhação, cada preocupação, em gavetas bagunçadas dentro de nós.

Muitos acreditam que o que nos foi feito de mal, deve ser guardado, para que nunca nos esqueçamos, de maneira que a lembrança permaneça viva, e não nos deixe cair em tentação de cometer o mesmo erro novamente.

Muitos de nós, teimam em deixar seus sofrimentos guardados em gavetas internas, não etiquetadas, que com o tempo acabam empoeiradas e desconectadas, borbulhando emoções descontroladas, que depois de um tempo, ou anos, até décadas, acabam causando males crônicos, que as próprias pessoas não conseguem identificar o que e quais os motivos que se sentem tão angustiadas e tristes, porque para elas, não existe um motivo aparente. Aparentemente não, mas os motivos estão guardados nas gavetas, aquelas gavetas que citei.

Outros até se esquecem o motivo pelo qual as guardaram, mas elas permanecem ali, causando dores, irritações, preocupações sem sentido. E os acumuladores de sentimentos amargos, continuam achando que precisam acumular lembranças doloridas para que possam manter tudo sobre controle…

Alguns até dizem: “Essa eu não esquecerei nunca mais! Nunca mais serei feito de trouxa!”.

Até que tudo começa a fugir completamente ao seu controle e as doenças passam a eclodir sem pedir licença.

O fato é que não precisamos lembrar da dor para que ela exista em nós. Pelo contrário, precisamos aprender a silenciar a mente para que possamos ouvir a lição que a nossa alma deve aprender com aquela situação desajustada.

“Se não é benção é lição”.

Pois bem, se a vida te ofereceu uma lição amarga, tente adoçar com o seu coração, acate o aprendizado sem ter que se amargurar, se endurecer, e mergulhar em desamor.

Agradeça a lição, e siga em frente!

Pare de guardar seus cacos para tentar colar tudo outra vez.

Talvez, a grande sabedoria esteja em saber jogar fora o que se quebrou e não em guardar e tentar colar tudo outra vez, porque a maioria de nós, não possui grandes habilidades manuais para remendar perfeitamente.

Joguemos os cacos que nos mantem quebrados, no lixo, para que possamos renascer inteiros, sem marcas, e sem nenhum arranhão.

Vão dizer que é impossível, e eu vou dizer que nada é impossível para quem confia, verdadeiramente, na providencia divina.

Não é preciso acreditar em Deus para confiar na providencia divina. Porque estar vivo é uma prova da divindade que existe em tudo.

Viva a vida sentindo o divino dentro de você!

Jogue fora a insegurança, o medo, o rancor, o ódio, a dor. Livre-se dessas gavetas pesadas e empoeiradas que te fazem enxergar a vida em preto e branco.

Jogue fora essas lembranças que te deixam amargurado, porque a amargura é a grande causa das doenças da alma, que se materializam em graves enfermidades físicas, enquanto, AMAR, só amar, é a cura que necessitamos para aprender a ouvir o que a alma clama.

Porque a alma sabe o que nos cura, sim, ela sabe o que devemos fazer.

Só que a cada dia arrumamos mais tarefas e mais compromissos para ficarmos cada vez mais alienados aos chamados da alma.

Queremos nos desconectar, quando o verdadeiro caminho para a cura é a conexão.

Não temos tempo para ouvir a nossa voz interior, e muitos de nós, nem possuem paciência para isso… E se entopem de remédios.

Não estou dizendo que não devemos tomar remédios. Para muitos, a única forma de conseguir aquietar a mente para acessar essa cura, é com a ajuda de medicamentos, e está tudo bem, o importante é realizar o tratamento como exigiu o médico, mas aproveitar a ajuda da medicação para tentar se reconectar, até que você mesmo perceba que não existe mais a necessidade de ingerir tal medicação.

Deixarei aqui uma receitinha placebo para quem quiser fazer o teste por uma semana.

Deixe um copo de vidro com água ao lado de sua cama, com uma pedra, um cristal, de sua preferencia, antes de dormir.

Faça a sua oração preferida, ou a sua meditação.

Ao acordar, tome a água.

Faça isso por uma semana e depois me diga se a sua vida ficou um pouco mais leve, se “insights” começaram a surgir em sua mente, se uma clareza súbita, uma iluminação repentina acontecer nessa semana, ou se encontros felizes e inesperados te trouxeram ensinamentos significativos! Me conte, adorarei saber!

Comece hoje mesmo o caminho para a conexão com a sua alma, esse pode ser um caminho mais difícil do que o de levar uma pilula até a boca, mas, pode ser o caminho definitivo para a verdadeira felicidade que você tanto almeja, mas que ainda não aprendeu a acessar.

Silenciar é o verdadeiro e único caminho para acessar a cura definitiva! É preciso aprender a ouvir o que a alma tenta desesperadamente nos dizer, só assim conseguiremos nos curar integralmente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!