7 coisas que os filhos adultos querem que seus pais saibam

Se afastar, e manter distância dos pais são algumas das maneiras dos filhos adultos dizerem que querem encontrar seu próprio caminho no mundo.

Quando isso acontece, muitos de nós se perguntam o que fizemos de errado em vez de nos lembrarmos do que fizemos de certo.

Embora nem sempre seja fácil de aceitar, os filhos adultos precisam romper com a dependência de seus pais e seguir para uma vida de independência saudável.

Mesmo que possa ser uma temporada desconfortável, não é necessariamente uma temporada ruim.

A maioria dos filhos adultos quer que seus pais saibam que eles ainda os amam e os valorizam, mas eles precisam de algum tempo e espaço para descobrir as coisas por eles mesmos.


Afinal, o que os filhos querem que os seus pais saibam?

1. Eu quero ser aceito como sou!

O mundo é um lugar cruel. Amigos nos apunhalam pelas costas e as comunidades da igreja nos dão as costas quando somos diferentes dos demais.

A família deve ser o lugar onde nos sentimos aceitos. Isso não significa que um pai tem que concordar com as escolhas de uma criança, no entanto, ele precisa aceitar. Isso não significa que os pais não possam expressar suas opiniões sobre as escolhas de seus filhos. Mas a realidade é que, quando um filho completa dezoito anos, ele está sozinho. Ele precisa fazer suas escolhas (e consequentemente seus erros) à parte de seus pais.

Os pais não podem considerar as escolhas de seus filhos como uma acusação às suas habilidades de criação. Os pais devem entender que seu filho cresceu. Enquanto adulto, ele precisa aprender a fazer as suas próprias escolhas. A aceitação é uma ótima maneira de mostrar ao seu filho adulto que ele é importante, não importa o quê faça ou quais forem suas escolhas, desde que não prejudique a ninguém.

2. Eu desejo a sua aprovação, mas não preciso dela.

Ao contrário da ideia de aceitação acima, a aprovação é diferente.

Aprovação significa “a crença de que algo ou alguém é bom ou aceitável”. A bondade relaciona-se com o caráter moral e é um aspecto da formação espiritual.

A bondade é um dos frutos do Espírito.

O trabalho de um pai cristão é ajudar a desenvolver os frutos do Espírito dentro de seu filho.

Portanto, aprovação significa que você os aprova, não suas escolhas.

Após o batismo de Jesus, o pai de Jesus o aprovou publicamente: “Este é meu filho, a quem amo, nele me comprazo” (Mateus 3:17). Posso imaginar a alegria que deve ter sido para Jesus ouvir seu Pai dizer isso a outros.

Um filho adulto gostaria de ouvir seus pais aprovarem publicamente quem eles são e quem eles se tornaram.

Mesmo que a criança tenha cometido alguns erros, ela ainda quer ouvir seu pai dizer que é amada e recebeu seu selo de aprovação.

3. Me dê conselhos embasados em experiencia, não em achismos

Mesmo com 40 anos de idade, ainda peço conselhos ao meu pai. Depois de comprar uma casa, meu marido e eu estávamos querendo comprar um gerador. Sem saber muito sobre eles, me apoiei em alguém que sabia:

“Ei, pai, você pode me dizer qual marca é o melhor gerador?” nosso telefonema semanal começou.

Não importa quantos anos eu tenha, meu pai já passou por tudo isso. Perda de um cônjuge, negócios falidos são apenas algumas das provações que ele enfrentou em sua vida. Meu pai nunca deixa de me surpreender com a melhor dica sobre melhorias em casa, carros e afins.

Sempre considere o conselho de um pai. Ninguém no mundo quer o melhor para você mais do que seus pais.

4. Me dê o seu amor despretensiosamente, e será o suficiente!

Muitas vezes, na sociedade, baseamos o amor nos sentimentos que sentimos no momento. No entanto, o amor é uma ação e uma escolha, não apenas um sentimento.

Um pai deve escolher amar seus filhos, apesar de suas ações.

Um pai que pode separar seus sentimentos de sua escolha de amar continuará a promover o crescimento de seu filho adulto, tanto emocional quanto espiritualmente. Não só isso, mas também podem deixar um legado de amor para seus netos.

Quando virem seus pais interagindo de maneira positiva com seu filho adulto, o neto desejará promover esse mesmo relacionamento com seus pais.

5. Me oriente sem me humilhar

Quando eu era criança, eu tinha medo de contar aos meus pais sobre um problema que eu estava tendo, mas temia ser punido ou repreendido por me colocar naquela situação; como adulto, não preciso mais me preocupar com isso. Ainda é bom dobrar o ouvido dos pais sempre que há um problema que a criança não pode resolver.

É terapêutico, no mínimo, conversar sobre um problema com um dos pais e, na melhor das hipóteses, eles podem ajudá-lo a descobrir o que fazer a seguir.

Os pais têm experiências únicas para eles; é sábio que os filhos adultos perguntem a eles sobre essas experiências.

6. Quero a sua sabedoria, não o seu conhecimento!

As crianças não apenas precisam da orientação dos pais, mas também precisam de sua sabedoria. Uma coisa é um pai dar conselhos ou conhecimento; outra bem diferente é obter a perspectiva dos pais sobre as lições que aprenderam ao longo da vida.

Para uma tarefa de casa, meu filho teve que perguntar a um avô sobre si mesmo. Escolhemos meu pai. Enquanto facilitava a discussão, aprendi muito sobre meu pai e minha mãe do que jamais soube antes. Anotei e digitei no computador. Eu imprimi com algumas fotos da minha família. Por quê? Para que eu pudesse preservar meu passado, enriquecer meu presente e aprimorar meu futuro.

Eu gostaria de ter escrito as histórias que minha avó tinha sobre sua vida como operária de fábrica, criando um filho, a incapacidade de ter mais filhos. Agora que ela passou, não posso colher as lições que ela aprendeu com essas provações. Minha mãe também passou por muita coisa na vida. Mas ela estava quieta sobre sua vida e não falava muito sobre seu passado. Eu adoraria ter ouvido o que ela achava tão bom sobre os anos 50 e 60, as épocas em que ela cresceu, como foi me criar ou como foi perder um filho.

Se você tem um bom relacionamento com seus pais, reserve um momento para sentar e fazer perguntas sobre a história deles. Anote se puder. Preserve o passado para que você possa continuar a aprender com esses erros e não estar condenado a repeti-los.

7. Quero te sentir presente, mas não quero que me sufoque!

Tive o privilégio de viver ao lado da minha avó enquanto crescia. Ela muitas vezes vinha para jantares em família e nós íamos à casa dela também. Passei muitos fins de semana com ela e guardo minhas memórias dela, quando criança. Na verdade, minha avó foi uma das maiores influências em minha vida espiritual. Francamente, eu não seria quem sou sem a influência dela na minha vida. Que dom eu tinha, poder crescer ao redor dela.

Como um adulto, seus filhos estão mais do que provavelmente pensando em ter filhos. Os filhos adultos precisam da ajuda dos pais para criar os filhos. Eles podem não apenas precisar de ajuda física para pegar as crianças na escola e cuidar de crianças, mas também de sua influência espiritual, para que a próxima geração possa seguir seus passos espirituais.

Se pais e filhos têm o hábito de frequentar a igreja regularmente e praticar disciplinas espirituais, é mais provável que uma criança queira imitar esse exemplo. Os pais têm mais influência sobre seus netos do que imaginam. Por apenas estarem lá, os pais estão plantando sementes em seus netos e semeando o que plantaram em seus filhos adultos também.

Pode parecer que quando uma criança completa dezoito anos, ela não precisa mais de seus pais. Pelo contrário, os filhos adultos precisam dos pais mais do que nunca. Eles precisam ser capazes de se apoiar neles enquanto passam pelas provações da vida e se alegrar com eles em seus triunfos.

Ser pai ou mãe é um dom. Quando essa criança se tornar adulta, ela poderá colher os frutos do relacionamento que desenvolveu ao longo dos anos.

E você já saberá o que ela vai querer de você quando for adulta.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Ibelieve

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!