3 coisas que aprendi com a fé da experiência de Madre Teresa

Por Luisa Restrepo

A fé é fortalecida vivenciando-a (mesmo que você não tenha muito).

Olhando para o livro Venha, seja minha luz, sobre as cartas de Madre Teresa de Calcutá (uma grande santa que todos nós já conhecemos), há alguns pontos sobre a fé que eu gostaria de compartilhar com vocês que me chamaram a atenção.

Este livro revela sua vida interior e a maneira pela qual Deus a convidou a participar de perto em seus mistérios, fazendo-a passar por uma grande escuridão espiritual; não por um ano, por cinco ou dez… mas por cinquenta anos! Apesar disso, ela permaneceu alegre, cheia de fé e amor, mas por dentro sofreu muito:

“Há tanta contradição em minha alma: um profundo anseio por Deus, tão profundo que dói; um sofrimento contínuo, e com isso o sentimento de não ser amada por Deus, rejeitada, vazia, sem fé, sem amor, sem ciúmes … O céu não significa nada para mim: parece um lugar vazio!”.

Estas palavras não têm significado figurativo, realmente a fé de Madre Teresa estava sendo testada. Durante esses anos sombrios, você experimenta a vertigem que supõe a possibilidade de negar a Deus:

“Eu estive a ponto de dizer não … Eu sinto que algo vai me invadir a qualquer momento.”

Sentia uma solidão impressionante que parece abalar até mesmo sua fé :

“Senhor meu Deus, quem sou eu para me deixar? […] eu chamo, aguento, quero, mas ninguém responde, ninguém para pegar, não, ninguém. Sozinho, onde está minha fé? Mesmo no mais profundo não há nada, exceto o vazio e a escuridão, meu Deus”.

1- A escuridão nos leva a buscar mais luz com todas as forças. Esta foi a história de Madre Teresa.

Seu teste de fé fez com que ela tivesse um desejo imenso (mesmo doloroso) por Deus. Não sabia quando ia encontrar aquela luz, mas seu amor por Ele era tão profundo que, com muita coragem e humildade, ela confia, diz sim o tempo todo, abandona-se e espera.

Muitas vezes a espera nos desencoraja, nos frustra e nos faz duvidar. Para Madre Teresa, esperar significa ter a certeza de que Deus age sempre e para o bem de seus filhos.

A confiança é uma opção e pode ser vivida por aqueles que têm fé e amor (embora estes sejam pequenos, menores que um grão de mostarda).

2. Um teste de fé não é o mesmo que uma crise de fé

Madre Teresa era uma mulher apaixonadamente apaixonada por Jesus. Nos primeiros anos de sua consagração, ela havia experimentado aquela intimidade com Ele. Então tudo desapareceu, não porque ela quisesse, mas porque Jesus queria assim.

O que ela viveu não foi uma crise de sua própria fé, foi um teste. Qual a diferença? Em que seu desejo de estar com Jesus era sempre o mesmo.

O que ela mais queria era amar Jesus e Ele queria mostrar a ela que a melhor maneira de fazer isso era permanecer sua esposa, mas a esposa de um Jesus crucificado.

Um Jesus que está com sede e quer que o ajudemos a saciar sua sede.

Esta imagem expressa a intensidade do desejo e anseio que Jesus sente por nós.

Em resposta a esse amor intenso, Madre Teresa quis responder com todo o seu ser e se dedicou a ” saciar a sede de Jesus na cruz por amor e pelas almas”.

Alguns santos também experimentaram uma noite escura como parte de sua união mística (Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz).

Este momento foi revelado a eles como o caminho para viver a união com Jesus; uma união contemplativa através do consolo , o desejo de fazer a sua vontade, secura e um intenso e profundo anseio por Deus.

Todas essas experiências não significam que Madre Teresa perdeu sua fé, mas que elas permitiram que ela aumentasse através da busca e do desejo. Como ela disse, eles a fizeram ter “uma fé cega, uma fé pura”: ” Eu não posso dizer que estou distraído, porque minha mente e meu coração estão continuamente com Deus”.

3. Não há nada mais certo de que a fé se fortalece com mais fé (mesmo que você não tenha muito)

Eu realmente gostei de algo que Madre Teresa disse para suas irmãs:

“Minhas queridas filhas, sem sofrimento, nosso trabalho seria apenas trabalho social, muito bom e útil, mas não seria obra de Jesus Cristo, não participaria da redenção. Jesus queria nos ajudar compartilhando nossa vida, nossa solidão, nossa agonia e morte. Tudo isso Ele assumiu em si mesmo, e levou-o para a noite mais escura. Só sendo um de nós poderia nos redimir. Somos autorizados a fazer o mesmo: toda a desolação dos pobres, não apenas sua pobreza material, mas também sua profunda miséria espiritual deve ser redimida e devemos compartilhá-los ”.

Não se trata apenas de ser movido pelo que Deus faz por nós ou pelo sofrimento do mundo. É sobre compartilhar amor ao mundo.

Nem sempre teremos a melhor vontade para fazê-lo, mas Deus conta que nos oferecemos para vivê-lo por amor a Ele, para saciar sua sede.

** Com informações de Aleteia. Livremente traduzido e adaptado REDAÇÃO SEU AMIGO GURU.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!